Luíza é proprietária de uma loja de doces e mãe de primeira viagem de Mateus. Com seus recém-completos 6 anos, o menino esbanja curiosidade. Observando os comerciais de ovos de Páscoa, dispara para sua mãe: “Por que o ovo de Páscoa é de chocolate, mamãe? Galinha também bota ovo de chocolate?”. Luíza, que nunca teve tempo para esses detalhes, correu para pesquisar e descobrir 5 curiosidades sobre a Páscoa que você não sabia também. Confira!

Tudo começou…

Uma das maiores curiosidades sobre a Páscoa é que ela não é uma festividade apenas judaico-cristã. Como a origem de tudo costumava se perder no tempo do conhecimento oral, passado de geração a geração através de histórias, não há como precisar com exatidão onde e quando o rito se originou.

Mas historiadores afirmam que o cristianismo incorporou as comemorações do Equinócio da Primavera, no hemisfério norte, ao seu calendário festivo. Já outras vertentes afirmam que a Páscoa vem do hebraico Pessach, que significa Passagem, e é o marco da libertação da escravidão do povo hebreu no Egito. E, segundo a Bíblia, a ressurreição de Jesus Cristo também aconteceu próximo a esse marco.

E o ovo…

O ovo foi adotado para representar a Páscoa por se tratar de um símbolo da vida e do nascimento, seja do povo hebreu que renasceu da escravidão e fez a passagem para a liberdade ou da ressurreição de Cristo.

Na era pré-cristã, havia um costume de cozinhar ovos de galinhas e pintá-los para presentear os entes queridos em comemoração à Primavera, época do ano em que a natureza se encontra mais fértil esbanjando vida através das flores e da reprodução dos animais. Este costume foi incorporado às festividades cristãs desde os antigos cristãos da Grécia.

Já o coelhinho…

A relação de ovos com coelhos, que são animais que não se reproduzem a partir de ovos, é outra das curiosidades sobre a Páscoa. Talvez a mais difícil de explicar, porque trata-se de uma relação mais sublimada.

O coelho, por ter grandes ninhadas, era o símbolo ligado à deusa Eostre, da cultura anglo-saxônica, que representava a fertilidade. Ele também foi incorporado à mitologia cristã por representar a capacidade da Igreja de produzir novos discípulos, fazendo assim com que a fé em Deus renasça e perdure.

Era uma vez…

Reza uma antiga lenda que uma mulher muito humilde pintou alguns ovos de galinha e os escondeu em um ninho, para depois dá-los aos seus filhos como presente de Páscoa. Quando, sem querer, as crianças encontraram o ninho, um grande coelho passou correndo por perto dele. Então, espalhou-se a história de que o coelho é quem havia trazido os ovos.

Chegamos ao chocolate…

Bom, a tradição de fazer os ovos de chocolate foi apenas uma estratégia para aumentar o consumo do produto e perpetuar ainda mais a ideia do renascimento, além de deixar a Páscoa ainda mais doce!

No final das contas, Luíza preferiu falar para o Mateus que os ovos de chocolate são mais gostosos e que o coelhinho é mais legal que as galinhas. Mas, independentemente da crença ou de suas origens, a Páscoa é uma data de grande importância no calendário ocidental.

Além de movimentar a economia com as vendas de chocolate e ações de marketing como adesivos para vitrines, nos lembra da importância de mantermos nossas esperanças sempre renovadas, até mesmo no mercado, em tempos de economia instável.